Um Chá...


Com essa tendência de falar sobre artigos relacionados à história de Alice no País das Maravilhas, o Club da Gula vai entrar nessa, e, hoje, eu vou comentar sobre o chá. Sabia que o chá é a segunda bebida mais consumida no mundo? Só perde para a água. Na verdade, eu tomo como se o chá fosse assim: uma água fervida com folhas. No fim das contas, é água...
Nesse frio, com esse céu azulado e sol morno, uma das melhores pedidas para a tardezinha é um doce esfarelento e seco acompanhado de um chá bem quente. Essa cena, para muitos, não é nada agradável, já que não faz parte da cultura brasileira. Eu até gostaria de incorporar esse hábito para minha vida, mas eu gosto mesmo é de um chocolate quente, ou capuccino, ou, até mesmo, do próprio café preto.
No entanto, em algumas culturas, o chá faz parte de um ritual de confraternização. Pela Europa, nós conhecemos o famoso Chá das Cinco, que tanto se assemelha com um capítulo em que Alice conhece o Chapeleiro, e se depara com uma mesa de chá infinita (cap. 7, Um Chá Maluco). O chá foi criado no século XIX, pela Duquesa de Bedfort, com o intuito de exibir maravilhosas peças de porcelana e de prata. Com o tempo, foram criadas regras, etiquetas e um cardápio específico para o consumo do chá.
Nossa mania de adquirir hábitos internacionais, abre espaço para casas como a Fundação Maria Luísa e Oscar Americano. Instituída por Oscar dois anos após o falecimento de Maria Luísa, a Fundação é um verdadeiro refúgio na cidade de São Paulo. Localizada na Avenida Morumbi, a casa conta com um acervo de obras de arte, um extenso parque, além de um Salão de Chá. Com uma decoração vovó-chique, o Salão recebe pessoas com reservas (você pode até arriscar em ir até lá sem ser convidado...), uma vez que ele é utilizado para festas de crianças riquinhas, e conversas entre dono de empresa e futuro-sócio.
No guia Veja São Paulo de 2002/2003, a Fundação recebeu um selado e garantido de qualidade, harmonia e charme. Veja os elogios
Ultimamente, o chá tem chamado atenção da mídia por causa da morte de Glauco. Se bem que essa poeira já baixou. Acontece que, o chá, muitas vezes, é relacionado com religião, ou até mesmo com doença – são os conhecidos chazinhos. Tá com dor de barriga de tanto comer doce? Toma um chazinho de erva doce!

[...]
“E desde aquele momento,” continuou o Chapeleiro, desolado, “ele não faz o que peço! Agora são sempre seis horas”
Alice teve uma ideia luminosa. “É por isso que há tanta louça de chá na mesa?” perguntou.
“É, é por isso”, suspirou o Chapeleiro; “é sempre hora do chá, e não temos tempo de lavar a louça nos intervalos.”
“Então ficam mudando de um lugar para o outro em círculos, não é?” disse Alice.
“Exatamente”, concordou o Chapeleiro, “à medida que a louça se suja”
“Mas o que acontece quando chegam de novo ao começo?” Alice se aventurou a perguntar
[...]

2 comentários:

Carolina disse...
12 de abril de 2010 10:15

Adorei o post. Vamos tomar um chá?

O meu será com leite!

Paola Maluceli disse...
12 de abril de 2010 14:03

Um chá de jasmim acompanhado de uma fatia generosa de bolo branco. A louça? O Chapeleiro lava.
Beijocas